12/07/2017 - Banco participa de debate sobre tarifas cobradas em operações do FNO

No último dia 6 de julho, em Brasília-DF, o Banco da Amazônia participou de debate na Câmara Federal que abordou sobre tarifas bancárias cobradas em operações do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte – FNO. O debate ocorreu na audiência pública da Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA).

O Banco foi representado pelo diretor de Infraestrutura de Negócios (DINEG), Valdecir Tose, e pela sua assessoria institucional. A audiência foi sugerida pelos deputados federais Júlia Marinho (PSC-PA) e Angelim (PT-AC) e contou com a participação das entidades: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Departamento de Crédito e Estudos Econômicos do Ministério da Agricultura, Secretaria de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais do MI (Ministério da Integração).

De acordo com o diretor do Banco, as taxas servem para a administração dos contratos, em sua maioria de longo prazo, com maiores riscos. Esclareceu que a cobrança das tarifas se dá a título de remuneração, pela prestação de serviços de análise de viabilidade econômico-financeira de projetos do setor produtivo nos ramos industrial, agroindustrial, infraestrutura, turismo, cultura e comércio, conforme preconiza a resolução nº 4.288.  Enalteceu a importância do Banco da Amazônia como agente de desenvolvimento econômico e social dos empreendimentos rurais e urbanos da região; além do reflexo dos sólidos resultados para o Governo e Estado: regresso de proventos financeiros aos cofres públicos e o desenvolvimento sustentável. 

Valdecir Tose explicou, também, aspectos da “Rota do FNO” - ação da área comercial do banco que dinamiza a aplicação do fundo constitucional por meio da divulgação das linhas de crédito, prazos e taxas de juros, visando mais proximidade ao seu público alvo: empreendedores de todos os portes da cadeia produtiva.

Enfatizou, ainda, a importância da lei nº 13.340/2016, que autoriza a renegociação e liquidação das dívidas do crédito rural, com abatimentos de até 85%, cuja execução já foi implantada e está obtendo resultados positivos para o Banco da Amazônia e para os clientes do segmento rural.

Sobre o FNO

O FNO - Fundo Constitucional de Financiamento do Norte - abrange toda a região Norte, que corresponde a 45% do território nacional, atingindo 449 municípios que compõem a base política-institucional da região, que é de 3,8 milhões de Km2, com uma população de 11.604.158 habitantes.