06/04/2018 - Doação do Banco da Amazônia beneficiará pacientes com câncer do Hospital de Amor

Excelência em oncologia, o Hospital de Amor (novo nome adotado pelo Hospital de Câncer de Barretos) é a primeira instituição beneficiada com recursos doados pelo Banco da Amazônia aos fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente e do Idoso.

Na ordem de R$ 1 milhão, os recursos saíram da destinação de 1% do Imposto de Renda devido pela instituição financeira no exercício de 2017, conforme prevê o Regulamento do Imposto de Renda, que permite às pessoas jurídicas realizarem a dedução em prol desses fundos tendo como base cada período de apuração.

 

“Reconhecido pelo Ministério da Saúde como o melhor hospital público do país, o Hospital de Barretos foi escolhido pelo banco por atuar na região amazônica, pela seriedade de seu trabalho na área de saúde e, também, por ter as condições técnicas e legais para receber a doação”, informa Wilson Evaristo, superintendente regional do Banco da Amazônia em Rondônia.

 

O Hospital de Amor registra 6 mil atendimentos por dia em suas unidades, 100% gratuitos. Acolhendo pacientes de todo o Brasil, com profissionalismo e humanização, o hospital tem uma unidade em Porto Velho, que atende pacientes de toda a região amazônica, além de dispor de Institutos de Prevenção, realizando exames de diagnósticos precoces, nas cidades de Porto Velho e Ji-Paraná.

 

Em 2011, tornou-se “instituição irmã” do MD Anderson Cancer Center (EUA), o maior centro de tratamento e pesquisa de câncer do mundo e recebeu um prêmio da AVON como “Campeão Mundial em Avanço na Área Médica no Combate ao Câncer de Mama”. Em 2012 assinou acordo com o Saint Jude Children´s Research Hospital e tornou-se “instituição gêmea”.

 

O Hospital possui diversas unidades espalhadas pelo país, estando elas localizadas em: Barretos (SP), Jales (SP), Fernandópolis (SP), Campinas (SP), Porto Velho (RO), Campo Grande (MS), Nova Andradina (MS), Ji-Paraná (RO), Lagarto (SE), e Juazeiro (BA). Além disso, há projetos em andamento nas cidades de Amapá (AP), Rio Branco (AC) e Palmas (TO).  A instituição fechou o ano de 2017 com 880.620 atendimentos realizados a 171.454 pacientes vindos de 2.107 municípios de todos os estados do país - um recorde de cobertura.

 

Foram realizados 23.048 internações, 93.254 quimioterapias, 7 mil refeições servidas/dia e déficit operacional de mais de R$ 20 milhões/mês. A entidade reúne 380 médicos e mais de 3.500 funcionários.