Banco da Amazônia oferta crédito para produtores e empresários afetados por enchentes

27/03/2015 - O Banco da Amazônia disponibilizou Linhas especiais para Capital de Giro para todas as atividades produtivas na região, visando agilizar a retomada dos negócios afetados pela enchentes com condições especiais de juros e prazos através do FNO.A Instituição disponibiliza recursos na ordem de 4,5 bilhões para o Amazonas, Pará, Rondônia e Acre, afetados pelas enchentes, que servirão para a retomada das atividades produtivas, tanto para o produtor rural quanto para o grande empresário.

          Outras medidas também foram tomadas para auxiliar as atividades produtivas afetadas pelas enchentes, como a possibilidade de prorrogação de vencimentos das operações de crédito no setor rural e não rural. A prorrogação será para os casos que tiveram maiores perdas e que necessitarão de maior prazo para honrar os compromissos junto ao Banco sem a perda do crédito.  A prorrogação será feita pelo Banco da Amazônia que orienta seus clientes que foram afetados que procurem suas agências e verifiquem a possibilidade de enquadramento nesta medida emergencial.

           Essa medida vale para clientes que tenham empreendimentos localizados nos municípios dos Estados do Acre, Rondônia, Amazonas e Pará que foram ou venham a ser decretado “Estado de Emergência ou de Calamidade pública”, em decorrência das enchentes na região Norte.

“As enchentes causadas pelas chuvas têm impactado na produção e na comercialização dos produtos, o que reflete negativamente na economia local. Com essas medidas, queremos mitigar os problemas que os empreendedores estão enfrentando e assegurar que o fluxo de seus negócios com o Banco prossiga da melhor forma possível”, relata Valdecir Tose, secretário executivo de Rede de Distribuição.

         O Banco da Amazônia informa que está aberta a renegociação de dívidas com base nas resoluções do Banco Central 4315 e 4314, que traz grandes benefícios para produtores rurais e empresas que se encontram com débito em atraso junto aquela Instituição financeira. A renegociação permite a exclusão de encargos de inadimplência, ou seja, a operação que se enquadrar nas referidas resoluções será recalculada como se estivesse em situação de normalidade, com pagamento de no mínimo 10% do saldo vencido, o montante remanescente poderá ser prorrogado por até 10 (dez) anos e até 01 (um) ano de carência com juros subsidiados.

           Existe ainda outra modalidade de negociação com base na Resolução nº 4260, onde o cliente faz outro financiamento depois que sua dívida é recalculada pelos encargos de normalidade. A inadimplência é eliminada, sem ser preciso o pagamento de 10% do saldo, onde será aberta uma nova linha de crédito para liquidar a anterior. O limitador dos parâmetros deste acordo indica que as operações devem ter sido contratadas até dezembro de 2006, com valor original de, no máximo, R$ 200 mil.