Exposição “Casa do Caboclo João de Barro” abre em comemoração pelos 73 anos do Banco da Amazônia

04/07/2015 - Na segunda-feira, 6, às 18h30, tem início a exposição “Casa do Caboclo João de Barro”, do artista plástico João Carlos Torres da Silva, o Jocatos, um dos contemplados com o Edital de Pautas Prêmio Banco da Amazônia de Artes Visuais 2015. Uma das atividades comemorativas do aniversário do Banco da Amazônia,que completa 73 anos no dia 9 de julho, a mostra ocorre no Espaço Cultural da Instituição, em Belém.

Com mostras e premiações artísticas em salões, bienais e acervos em museus locais, nacional e internacional, Jocatos traz nesta nova mostra uma visão inovadora do homem amazônida, valorizando a cultura regional no que ele caracteriza como “a essência do viver o cotidiano de cada indivíduo”.

Composto de instalação, fotografias e gravuras, a mostra é resultado do projeto “A contemporaneidade das construções na Amazônia: Casa de João de Barro”, resultado da Bolsa de Criação, Experimentação, Pesquisa e Divulgação, concedida a Jocatos em 2014 pelo Instituto de Artes do Pará (IAP), atual Centro de Experimentação Artístico e Cultural do Pará (Casa das Artes).

Com o projeto, a ideia do artista foi a de mostrar as mudanças ocorridas ao logo do tempo nas construções das casas dos caboclos da Amazônia. A instalação é a própria Casa do Caboclo João de Barro, uma alusão ao pássaro conhecido por seu característico ninho de barro em forma de forno e que foi tomado como objeto de estudo para a produção artística da exposição.

Na exposição, a Casa torna-se um espaço de expressão cultural, de valorização da identidade, memória e história da cultura do caboclo da Amazônia. Nela, é possível ao visitante encontrar objetos como fogão de barro, jirau, lamparina, pote e poço e, ao circular pelas obras, perceber as mudanças advindas com a contemporaneidade: o jirau deu lugar à pia, a lamparina deu lugar à luz elétrica e, antes, o que era pote, hoje é geladeira.

Quanto à exposição de fotografias e gravuras, estas são registros da ambientação, dos objetos e utensílios que compõem a Casa do Caboclo João de Barro. “Queremos que as pessoas reflitam sobre esse espaço de mudança que a contemporaneidade traz, além de fazê-las valorizar a identidade, a memória e a história cultural do caboclo amazônida”, diz Jocatos.

Com curadoria do poeta e artista visual de Marcílio Caldas Costa, a exposição “Casa do Caboclo João de Barro” estará aberta à visitação do público até o dia 21 de agosto, de 10 às 16 horas.