Banco da Amazônia homenageia Belém com hotsite sobre a cidade

Para celebrar os 400 anos de Belém, comemorado nesta terça-feira, 12 de janeiro, o Banco da Amazônia disponibilizou a seus colaboradores, parceiros e público em geral um hotsite em sua página na internet (www.bancoamazonia.com.br) com parte da história da cidade, com destaque aos pontos turísticos, à cultura local e ao Círio de Nossa Senhora de Nazaré.

O hotsite traz, ainda, um tour virtual pelo Espaço Cultural Banco da Amazônia, onde está a exposição “Paris do Sol 400 anos – A Belém que a gente não viu”, que tem curadoria da artista visual Catalina Murchio e foi idealizada pelo Banco da Amazônia para homenagear os quatro séculos de existência da capital paraense. Com uma tecnologia diferenciada de visualização, o tour possibilita ao internauta navegar por todo o Espaço Cultural e ver detalhes das obras expostas.

Composta de imagens de domínio público das paisagens urbanas de Belém na virada do século 19 para o século 20, a exposição traz reproduções das ruas e avenidas da cidade do início dos anos 1900, mural artístico de Mauro Barbosa, Téo Lima e Adriano Gurjão, azulejos da Bélle Époque da coleção de Vânia Bispo, do Antiquário dos Azulejos, e pinturas em nanquim do engenheiro civil e desenhista Gustavo Affonso Bolção Vianna, já falecido, cujas obras pertencem ao acervo de Affonso Vianna Neto.

O hotsite foi dividido, ainda, em Belém Histórica, contendo os primeiros espaços urbanos criados na cidade, como o bairro da Cidade Velha, o Mercado do Ver-o-Peso e os palacetes e casarões antigos, e Cultura, onde se destacam a dança, a música, a literatura e a gastronomia feita em Belém.

O internauta poderá, ainda, ver os pontos turísticos da cidade, com os lugares principais de visitação turística, como a praia de Mosqueiro, o Mangal das Garças, a Estação das Docas, o Museu Emílio Goeldi, o Bosque Rodrigues Alves e o Complexo Feliz Lusitânia. Há, também, um destaque especial para o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, maior procissão da região e evento cultural que conta, todos os anos, com o apoio do Banco da Amazônia.

“A ideia foi a de oferecermos ao público um panorama geral de Belém, para que os que já conhecem a cidade se identifiquem e se sintam representados afetivamente e, para àqueles que não a conhecem, vejam a diversidade e a riqueza de nossa cultura”, explica Luiz Lourenço Neto, gerente de Imagem e Comunicação do Banco da Amazônia.

Criado há 73 anos, o Banco da Amazônia guarda estreita relação com a cidade das mangueiras, pois foi em Belém que a instituição surgiu, há 73 anos, como o então Banco de Crédito da Borracha. De lá para cá, o banco foi se expandindo e hoje se encontra em todos os Estados da Amazônia Legal.