Banco da Amazônia incentiva práticas sustentáveis em Salinópolis

O município de Salinópolis, localizado no nordeste paraense, a cerca de 200 km de Belém, é um dos recantos preferidos pelos turistas locais e de fora do Estado nesta época do ano. Lugar paradisíaco, onde estão localizadas belas praias de água salgada, Salinas – como o município é conhecido – é o destino preferido dos veranistas durante as férias escolares do mês de julho.

Se por um lado, a grande concentração de pessoas contribui para a dinamização da economia local, por outro, o movimento intenso acaba gerando alguns transtornos, como a produção e o acúmulo de lixo.

Para minimizar esse tipo de impacto e colaborar para práticas sustentáveis, o Banco da Amazônia está patrocinando o projeto Tenda Verde, do Instituto Manguezal. Criado para mostrar a importância de atitudes ambientais sustentáveis, o projeto, desde o início de julho, está levando ao público que se encontra em Salinas informações sobre coleta seletiva e resíduos sólidos, preservação de ecossistemas marinhos, conservação da água, utilizando como estratégia de aproximação e convencimento a mobilização social e a realização de atividades de educação ambiental e culturais.

“A intenção dos idealizadores de contribuir para o aumento de uma consciência ambiental no município veio ao encontro do que esperamos de nossos patrocinados, clientes e parceiros. Incentivamos práticas sustentáveis, inclusive por meio de nossa política de patrocínio, compreendida como uma estratégia para o cumprimento da missão do banco, no caso, a de promover o desenvolvimento sustentável da região”, explica Luiz Lourenço, gerente de Imagem e Comunicação do Banco da Amazônia.

Iniciado em dezembro do ano passado, o Tenda Verde realizou sua primeira atividade na Escola Municipal Leonor Santa Brígida, localizada na PA 144, estrada que dá acesso à praia do Atalaia. Na ocasião, o Instituto Manguezal, em parceria com a comunidade escolar, montou uma horta comunitária e promoveu palestras para alertar sobre a necessidade de preservação dos ecossistemas locais.

No início de julho, já com o patrocínio do Banco da Amazônia, a organização deu início a uma nova etapa do projeto, desta vez com a realização de distribuição de material educativo para os veranistas, trabalhadores e donos das barracas instaladas na praia do Atalaia e para os moradores locais.

“O leque do projeto é amplo. Entre as ações realizadas, informamos desde os perigos e os riscos de contaminação que podem ocorrer com a deposição de lixo nas praias até a divulgação da criação da unidade de conservação Monumento Natural Atalaia, que já foi aprovada, e muitos ainda não têm conhecimento”, relata Brenda Lopes, coordenadora do projeto Tenda Verde. Sob a gestão do Governo do Estado, a nova unidade, quando instalada, contribuirá com a preservação de dunas, restingas, manguezais, lagos, furos e praias do município.

 

Coleta de materiais recicláveis

Outra ação importante do projeto Tenda Verde está sendo desenvolvida em parceria com a Cooperativa de Reciclagem de Salinópolis (Coopresal), organização que conta com 40 famílias de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis. Junto com a Coopresal, a coleta seletiva dos resíduos sólidos gerados pelos veranistas vem sendo ampliada a cada final de semana.

Os catadores retiram da praia materiais como latas de alumínio, garrafas pet e coco. Tudo que é arrecadado é vendido e a renda é revertida parte à cooperativa e parte aos trabalhadores. O trabalho da entidade ficou mais fácil com as ações do Tenda Verde. O projeto realizou previamente inúmeras atividades de educação ambiental, como a realização de palestras e distribuição de material educativo junto aos turistas, trabalhadores da praia e moradores do município.

“Essa parceria tem ajudado nosso trabalho, porque tudo ficou mais organizado e desde o início de julho só vem aumentando a quantidade de material reciclado que retiramos da praia”, informa Ailton Andrade da Silva, presidente da Coopresal. Segundo ele, o aumento da arrecadação dos resíduos sólidos também incrementa as finanças da cooperativa. “Nossa expectativa é de que, no final, possamos gerar de receitas para cada família cooperada algo em torno de R$1.100”, comenta.

O projeto Tenda Verde também possibilitou a distribuição de sacolas e folhetos informativos sobre preservação ambiental e a instalação de coletores de lixo na praia. Houve, ainda, a implantação de uma tenda ambiental na praia do Atalaia, onde os veranistas, além de receberem informações sobre a necessidade de preservação do meio ambiente, podem apreciar uma exposição sobre os principais ecossistemas de Salinas.

Além do Banco da Amazônia, o projeto Tenda Verde conta com outros apoiadores, como a Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa) e o Governo do Estado, por meio do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) e o Núcleo de Articulação pela Cidadania. Para quem quiser conhecer mais sobre o projeto, o Tenda Verde ocorrerá até este domingo, 31 de julho, na praia do Atalaia.