Desenvolvimento Sustentável

A definição mais aceita para desenvolvimento sustentável é a que consta no documento intitulado "Nosso Futuro Comum" conhecido, também, como Relatório Brundtland (1987), como sendo aquele "capaz de satisfazer as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades".

O conceito não deve ser confundido com o de crescimento econômico, que é definido pelo aumento da capacidade produtiva da economia e, portanto, da produção de bens e serviços de determinado país ou área econômica, sendo mensurado, basicamente, pelo índice de crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, não abrangendo a melhoria do padrão de vida da população e o respeito ao meio ambiente.

No Brasil, os princípios do Desenvolvimento Sustentável estão presentes nas políticas, programas e planos de governo, em acordos público-privados e na Agenda 21 Brasileira, que prevê "a adoção de uma estratégia nacional que tenha como meta o desenvolvimento sustentável".

Para o Banco da Amazônia é o processo no qual ganha a sociedade, ganha a empresa e ganha o meio ambiente, visto ser construído sobre três pilares interdependentes e mutuamente sustentadores — desenvolvimento econômico, desenvolvimento social e proteção ambiental.